Early Environment Studies V

bunch

E finalmente eu volto a escrever depois de sabe-se lá quanto tempo… a novidade é que estou escrevendo do trabalho, após obter a devida permissão do meu diretor. Estou pensando em aproveitar o tempo por aqui, e ver se dou continuidade às minhas coisas depois de terminar o trabalho do dia. É possível que vá manter este procedimento até me mudar para mais perto, perder menos tempo no busão e chegar em casa menos morta de cansaço.

Depois do mimimi do costume, vamos ao que interessa: mais um estudo de cenário. Nestes aqui eu busquei mais formas e menos linhas. Também queria explorar o uso de sombras e luz, e deixar as imagens um tantinho mais tridimensionais. A intenção de uma narrativa ainda persiste, então falarei um pouco do que pensava ao fazer cada um.

1 – Penhascos no mar… aqui eu estava mais experimentando os brushes e não há nada acontecendo exatamente. A inspiração para a rocha à direita veio da Pedra do Anel, na praia de Itamaracá, que visitei há muitos anos atrás;

2 – Ainda testando, nada de narrativa; só quis desenhar uma caverna subaquática. Fiquei com esta imagem na cabeça depois de assistir um documentário sobre mergulho em cavernas. Os cenários são assustadores, porém magníficos;

3 – Idem ao 1. Tentei uma ‘erosão eólica‘ nas pedras para ver se as tornava mais interessantes;

4 – Finalmente algo ocorre aqui! Um cenário pós-apocalípctico, prédios destruídos, um monstro ciclópico e robótico surgindo ao fundo, em meio a um nevoeiro;

5 – Um dragão em um pântano (na verdade, pensei mesmo foi no mangue brasileiro), caçando um barqueiro solitário… ou sendo espreitado pelo mesmo;

6 – De novo uma cidade antiga, perdida entre dunas desérticas, com alguma coisa voando por cima dela.. isso é minha fraca tentativa de parecer ‘épica’;

7 – Um caminho na floresta, só isso (e eu que disse que haveria narrativa!). Fiz lembrando dos meus passeios nas florestas daqui, com suas árvores todas iguaizinhas e retas, muito diferentes daquelas dos trópicos de onde vim;

8 – Galhos de árvore rodeados de pequeninas faíscas mágicas, talvez fadas… lembrei-me dos ramos retorcidos das cerejeiras, onipresentes na arte japonesa;

9 – Um rio escoando entre pedras. Só não sei se é um rio de água ou um rio de lava…😛

10 – Uma cidade supostamente steampunk. Tentei utilizar o mesmo processo desta minha ilustração aqui, com muitos brushes de forma modificados;

11 –  De novo o cenário pós-apocalíptico, uma cidade morta e soterrada sob a neve. Lembrei do filme O dia depois de amanhã;

12 – E se repete o tema do 4; uma cidade costeira, um monstro gigante à la Cloverfield ao fundo.

E eu disse que ia ter narrativa…. e no fim, não há nenhuma. Como dizem os quebecos aqui… ayoye! -_- `

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s